Data: 29/02/2024

Cacto xique-xique vira doce nas mãos de agricultoras de Petrolina, em Pernambuco


Mulheres do Assentamento Mandacaru fazem coleta sustentável da planta para produzir a sobremesa, que é uma tradição da família de Ozaneide Gomes, uma das lideranças do grupo. Agricultora quer patentear o produto. Cacto xique-xique vira doce nas mãos de agricultoras de Petrolina (PE) O xique-xique é um cacto muito comum na Caatinga que consegue sobreviver a longos períodos de seca e ainda hidratar animais e pessoas que vivem no sertão nordestino. Isso porque metade de sua composição é formada por água. 🌵💧 Na família da agricultora Ozaneide Gomes dos Santos, que mora em Petrolina (PE), o uso dessa planta sempre foi feito de forma criativa. A sua tataravó fazia um doce com o xique-xique, uma tradição que acabou se perpetuando entre as mulheres da família e que Ozaneide quer levar para o mundo. Ela é uma das lideranças do Assentamento Mandacaru, que fica na zona rural da cidade pernambucana. No local, outras mulheres também produzem o doce, que só é vendido por encomenda. O g1 visitou o assentamento em outubro de 2023 e, na ocasião, Ozaneide e sua mãe contaram a história delas com o xique-xique, o jeito certo de cortar a planta para ela não morrer e a busca pela patente do doce. Produção do doce de xique-xique é uma marca registrada do Assentamento Mandacaru Gustavo Wanderley/ g1 Durante a visita, a equipe acabou saindo um pouco da pauta depois de conhecer o seu Vicente, um agricultor que foi alfabetizado pela Ozaneide aos 60 anos de idade. Ele cursou até o Ensino Médio e foi aceito numa universidade federal para cursar zootecnia, mas perdeu a matrícula por ter ficado doente após contrair dengue. Confira todas as histórias no VÍDEO ACIMA. VEJA TAMBÉM GENTE DO CAMPO: série do g1 apresenta pessoas inspiradoras do agro DE ONDE VEM: chocolate, café, morango...veja a origem do que você come Moradores do Assentamento Mandacaru. Gustavo Wanderley/g1 Créditos 'De onde vem o que eu como': Coordenação editorial: Luciana de Oliveira Edição e finalização: Célio Júnior Narração: Marih Oliveira Reportagem: Paula Salati e Gustavo Wanderley Produção e Roteiro: Paula Salati Coordenação de vídeo: Tatiana Caldas e Mariana Mendicelli Coordenação de arte: Guilherme Gomes Ilustrações: Gabs, Ana Moscateli, Vitória Coelho e Luisa Rivas Fotografia: Gustavo Wanderley Motion: Vitória Coelho Motorista: Fernando dos Santos Mendes Ozaneide Gomes dos Santos, do Assentamento Mandacaru, está dando continuidade a uma tradição das mulheres de sua família: a produção de doces com o cacto xique-xique. Gustavo Wanderley/g1 Doce de xique-xique é feito por mulheres do Assentamento Mandacaru. Gustavo Wanderley/g1 Maria Gomes dos Santos é mãe de Ozaneide Gomes dos Santos. Foi a avó de Maria quem começou a tradição do doce de xique-xique em sua família. Gustavo Wanderley/g1 Maria e Ozaneide caminham pelo assentamento. Outras mulheres do local também colhem o xique-xique. Gustavo Wanderley/g1 Mais histórias de quem faz o agro: Garçonete larga a vida na cidade para apostar na agricultura sem agrotóxicos Gente do Campo: Bonsai também é coisa de mulher 'Menino abraçou a rúcula como se fosse ovo de Páscoa', conta agricultora que luta contra a fome Gente do campo: Valter e Paula criam agroflorestas De lavrador a produtor: como o café especial mudou a vida do Ivan. Gente do campo: casal deixa de ser meeiro para produzir morango DE ONDE VEM em Podcast VÍDEOS: confira todos os episódios da série